Orson Wells, Eu o estudei na faculdade

“Rosebud”. Se fôssemos comparar o fim de Orson Welles com o desfecho de Cidadão Kane, protagonista da obra-prima do cinema moderno dirgida pelo cineasta, esta seria sua última palavra. Ao morrer de um ataque cardíaco aos 70 anos, em sua residência, Welles deixou não só a certeza de que o cinema tinha perdido um de seus maiores gênios, como também a impressão que sua vida, sua obra, sua personalidade e carisma, permaneceriam como um mistério tão grande quanto Kane. Ou quase:

“Há seres humanos – diria Welles a respeito do personagem principal de sua obra – sobre os quais não existe uma verdade final, mas apenas anedotas, lembranças, retratos pintados por vários artistas”. Assim foi com Kane. E, de certa forma, com ele próprio.

Muitos Orson Welles existiram num só: o ambicioso e ousado diretor de teatro, o ator, o cineasta, o escritor, o superstar, o radialista, o gênio incompreendido, o menino-prodígio, os incontáveis papéis que viveu num punhado de filmes ruins que só se tornaram assistíveis por causa dele. Afinal, quem era Orson Welles?

“Como diretor eu mesmo pagava meu salário com meus trabalhos como ator. Usei minha própria obra para financiar minha obra. Em outras palavras, sou louco”, resumira ele uma vez após ganhar um prêmio por seus filmes.

Anedotas, fatos, lembranças, retratos pintados por vários artistas, entre os quais ele mesmo. Escrever peças de teatro era outra de suas façanhas de menino. A par desse lado anedótico meio ficcional, ressalta mesmo a figura de um homem extremamente talentoso, genial. Seus programas de rádio foram um marco de qualidade e inovação. Contava com atores jovens e destinados a fazer carreira. Levava peças clássicas ou inéditas neste meio de comunicação, como foi o caso do memorável fato acontecido em 1938.

Um de seus programas estava destinado a narrar a história que custaria a Welles alguns contratempos. Resolveu adaptar para o rádio o romance ficcional “Guerra dos Mundos”, de H.G. Wells. Tão real, tão viva foi a interpretação radiofônica, que centenas de pessoas que pegaram a transmissão da peça no meio, de fato acreditaram que os Estados Unidos estavam sendo invadidos por alienígenas. Pânico foi espalhado pelas ruas do país e Welles teve a fama projetada além das fronteiras norte-americanas.

Embora tenha feito um pouco de tudo, foi pelo seu cinema que entrou para a história. Em sua opinião, “a grande forma de arte do nosso século”.

fonte: JB e YOUTUBE

. R .
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s